A árdua (ou cara) tarefa de chegar até Machu Picchu

Machu Picchu, lugar tão famoso e místico, atrai milhares de visitantes todos os anos. Declarado pela Unesco como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, está a 2.350 metros acima do nível do mar. As antigas ruínas ficam no meio das montanhas, próximas ao povoado de Aguas Calientes, a 112 km de Cusco, a maior cidade da região. Chegando ao povoado, os turistas geralmente se hospedam por lá e pegam um ônibus montanha acima, parando exatamente na porta. Ou seja, você não precisa necessariamente subir andando para visitar o local.

Chegando em Aguas Calientes
Chegando em Aguas Calientes

Mas a questão é como chegar em Aguas Calientes. Por causa das montanhas, apesar da pequena distância entre a cidade e Cusco, esta pode ser uma tarefa árdua para quem não quer gastar muito. Se você não ligar de pagar pelas passagens em dólar, basta pegar o trem da Peru Rail ou Inca Rail e descer direto no destino final.  Mas, por ser em moeda estrangeira e um pouco caro (150 dólares aproximadamente ida e volta em 2016), isto às vezes não está ao alcance de alguns mochileiros. Não se preocupe, existem rotas alternativas!

Uma opção é fazer o caminho conhecido como Rota da Hidrelétrica. Em Cusco é possível negociar com peruanos que fazem o trajeto até Aguas Calientes de van, passando pelas montanhas e cobrando um preço muito mais em conta (cerca de 75 reais ida e volta em 2014). Tentador, não é? Não se iluda, tudo tem seu preço!

As condições das estradas (se é que podemos falar em estradas aqui) são péssimas, placas advertindo sobre “derrumbes” por todos os lados, um penhasco gigantesco do seu lado, nenhuma parada para ir ao banheiro! E a viagem que dura quatro horas de trem se transforma em uma aventura de dez horas! Confesso que ver outros carros dependurados nos penhascos ao longo do caminho, ter um motorista que falava no celular e bebia Coca no meio das curvas nas minúsculas encostas e a chuva e a neblina que não davam trégua me fizeram repensar se valia mesmo a pena a economia. E ainda vem a última parte: a van não chega até Aguas Calientes, ela deixa todo mundo próximo de uma hidrelétrica e você precisa caminhar cerca de 10 km ao longo dos trilhos do trem até chegar ao povoado. Mas esta parte vale a pena! São paisagens maravilhosas vistas de um vale sem igual, às margens do bravo Rio Urubamba.

Depois de tanta adrenalina, nosso grupo de viagem optou por não voltar a Cusco de van e voltar na segurança e conforto do trem. Imagino, por outros relatos que já li, que o trajeto não é sempre tão penoso assim para todo mundo. Talvez a chuva tenha dado a impressão errada (ou não).

Há ainda outra forma de chegar até lá, andando por trilhas que os povos antigos usavam para chegar até Machu Picchu. São caminhadas longas, pelas trilhas Incas, andando por quatro ou mais dias e pernoitando em abrigos nas montanhas. Também sai caro e é preciso reservar com certa antecedência, pois as vagas são limitadas…

Mas e aí, qual a melhor forma de chegar em Machu Picchu? Tudo depende do tanto que você quer gastar, se aventurar e andar!

Marina Muniz

Marina Muniz

Formada em Matemática, mestre em Estatística e professora no ensino superior, trabalha o ano todo para juntar dinheiro para as suas viagens! Gosta de fazer intercâmbios, aprender outras línguas, experimentar comidas diferentes e conhecer pessoas de outros cantos do mundo. Também gosta de cachoeiras, trekkings, cinema, livros e música brasileira.

3 comentários em “A árdua (ou cara) tarefa de chegar até Machu Picchu

  • Pingback: Intercâmbio: experiências brasileiras no Peru

  • 23 de maio de 2016 a 12:27
    Permalink

    Meu sonho é ir pra Machu Picchu, estou juntando as moedinhas no meu cofrinho há uns 2 anos kkkkkkk, mas ainda está longe do valor que eu preciso. Adorei seu texto, me inspirou a não desistir do meu sonho :*

    Responder
    • Marina Muniz
      24 de maio de 2016 a 22:49
      Permalink

      Continue juntando e faça as conta direitinho, pois pode ficar barato se você comer, dormir e se locomover da forma mais econômica! Vale a pena passar por uns perrengues pra poder chegar até lá!

      Responder
%d blogueiros gostam disto: